top of page

Trans é #AMOR e a TLoveT #Nasce, por Giovana Tavares



29 de Janeiro de 2024, Dia Nacional da Visibilidade Trans


Giovanna Tavares, transexual, é empreendedora, empresária e influencer. Giovanna criou a primeira linha de roupa interior para mulheres transgénero.

A empresária, de nacionalidade brasileira, tinha 14 anos quando se assumiu como mulher transgénero.

Tudo começou por uma necessidade da própria, que não encontrava roupa interior adequada à sua fisionomia. Essa procura constante tinha impacto na sua saúde mental e autoconfiança. Assim nasceu a TLoveT, batizada a partir de “trans é amor”. As peças são feitas em neoprene, um material que permite um maior conforto e respiração da zona genital.



Oito anos depois, chegou a Portugal à procura de melhores condições de vida e de se lançar no empreendedorismo, com o objetivo de melhorar a vida de pessoas como ela. É por isso que apresenta as primeiras cuecas portuguesas pensadas na anatomia transgénero.

O seu projeto foi apresentado e registado na Moda Lisboa, em 2023.

Giovanna, nesta entrevista ao Love with Pepper, abre o seu coração e conta, como sendo uma mulher trans, ultrapassa as adversidades que a vida lhe colocou. Fala também de como é viver com amor.


Qual a sua essência como mulher trans e brasileira?

A minha essência é a persistência, mostrar aquilo que sou, a vontade de me destacar perante as outras pessoas e de trazer sempre algo de positivo para elas.



Qual o porquê de viver em Portugal?

Portugal é um país lindo e que me acolheu bastante bem. Para além disso tem uma cultura maravilhosa e uma gastronomia riquíssima. É tudo bom aqui!


A que se deve o seu sucesso como empresária?

Deve-se ao facto de trazer um produto inovador e de qualidade.


A TLOVET é a primeira marca de lingerie dedicada a pessoas transexuais. Como nasceu e o porquê desta marca?

Nasceu por uma necessidade, porque era difícil encontrar lingerie que se ajustasse ao meu corpo trans e uma amiga minha desafiou-me a criar algo. Então comecei a criar uma peça pensada para o corpo trans e assim nasce a TLOVET.



O que é ser mulher trans?

Uma mulher trans é uma mulher que nasce num corpo masculino, mas na sua identidade e no seu interior é mulher. Ora, o nosso corpo tem que estar ligado à nossa mente para sermos felizes.


Quando é que começou a sentir que não era homem?

A partir dos meus 5 anos, apercebi-me que era diferente.


Como se sentia antes da transição?

Sentia que não fazia parte desse corpo e que ele não era meu, mas não entendia o porquê. Só aos meus 13 anos é que tive contacto com uma mulher trans e foi aí que realmente entendi o que se passava.


Chegou alguma vez a confundir homossexualidade com transexualidade?

Sim, cheguei a considerar que podia ser gay, mas nunca encaixei no estereótipo gay e isso era muito confuso, dentro da minha mente. Foi através de uma amiga trans que realmente entendi a minha identidade como pessoa trans.


Quando é que se apercebeu que podia mudar de género?

Foi por volta dos 17,18 anos que me apercebi que poderia iniciar este processo.


Com que idade começou a transição?

Aos 16 anos comecei a tomar hormonas e a fazer algumas cirurgias plásticas, mas foi aos 19 anos que iniciei a minha transição.


A nível emocional, sente que sofreu uma mudança com a transição? Quais são as diferenças entre o antes e o depois?

A nível psicológico não me sentia feliz porque estava no corpo errado. A minha mente nunca mudou, o que mudou foi o meu corpo. E agora, com a idade, estou com muita mais maturidade e feliz com a minha transição.


Como foi a reação da sua família e amigos?

Na altura eu vivia com a minha avó e foi um período muito conturbado, acabando por ser expulsa de casa. Então procurei a minha mãe, ela ajudou-me e apoiou-me sempre em tudo. O que sou hoje devo-lhe a ela!


Qual foi o momento mais difícil durante a transição?

Foi quando tinha 16 anos, já era trans e fui apedrejada por colegas de escola. Sem dúvida que foi o momento mais doloroso e marcante para mim.


Chegou a fazer a cirurgia de redesignação sexual?

Apesar de ter vontade de a fazer, não a fiz. Com os anos a passar e com a idade vim a perceber realmente a minha identidade e hoje sinto que não tenho a necessidade de fazer a redesignação sexual, aceito-me como sou. Sou feliz!



Alguma vez se arrependeu da transição?

Nunca. Estou certa daquilo que escolhi viver e do que sou.


Ser transexual afetou a sua orientação sexual?

A minha orientação sexual sempre foi voltada para homens. Então sempre fui trans- hétero, nunca afetou.


Qual é a maior dificuldade no dia a dia como mulher transexual?

Na minha opinião, a maior dificuldade é não nos validarei como seres humanos, que nos retiram humanidade. Nós não temos direito a necessidades básicas como emprego, direito a andar na rua sem sofrermos com preconceito da sociedade. Nós, pessoas trans fomos colocadas num mundo à parte. O patriarcado nos tirou tudo menos o prazer, pois é na prostituição que conseguimos encontrar um meio de subsistência e os que nos excluem e que nos maltratam na luz do dia, são os mesmos que nos procuram à noite na beira da estrada.


Sente-se uma mulher segura a nível sexual?

Sim, sabendo aquilo que quero e também me sinto muito realizada.


Sexualmente realizada. Vida Feliz. É o lema do Love with Pepper, concorda?

Concordo plenamente, porque o sexo deixa-me com energia e é como se renovasse a minha autoestima todos os dias. Acho que quando uma mulher tem uma vida sexual mais ativa ela sente-se melhor e é mais produtiva em todos os aspetos.


O amor vence o preconceito?

Vence, mas por vezes é difícil.


Giovanna Tavares, Empresária, Maquilhadora

Instagram: @giovanna _tavaresoficial / @tlovetconcept


664 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page