top of page

Ser casal fértil na infertilidade


O conceito de infertilidade remete-nos para a finitude. A finitude de recursos, de continuidade, propósito. Mas então, onde fica a vida de um casal que lida com a infertilidade?


Vejamos: estamos a falar de infertilidade relativa à capacidade, no momento, de gerar de forma espontânea a vida de um filho. Vamos sempre lembrar que a fertilidade de um casal é (deve ser) muito mais abrangente que este tema em si: criar vida tem também a ver com criar memórias, tradições, identidades, crescer e ser abundante em relação, em amor, A DOIS!


Viver os desafios da infertilidade em casal traz-nos, automaticamente, a esta questão primária: qual o nosso propósito? Obriga a uma revisão consciente e, idealmente, partilhada, da nossa identidade hoje. Perguntar e entender, pesquisar dentro de nós e na nossa família, entregar os medos e anseios ao outro é um dever exigente…


Uma das grandes dificuldades quando percebemos que não estamos a gerar vida da forma que planeámos, é exatamente perceber o que nos resta. O que nos sustenta, o que será o material dos nossos sonhos e projetos em conjunto, agora que temos a nossa fertilidade limitada?


Este desafio requere que nos centremos em nós só por nós, no momento presente e num projeto identitário. Um projeto que requalifica e reequaciona o MEU e o NOSSO propósito de vida.


Carregamos em nós a memórias e as vozes de hoje que nos fazem encontrar na criação de vida o propósito base para qualquer casal. Viver contra corrente com este padrão (voluntaria/involuntariamente) é estar em constante questionamento. É cansativo. É violento e frequentemente afasta-nos de nós, de outros e do outro. Importa aqui definir as barreiras do privado e íntimo com o mundo exterior ao casal, o que pode não ser linear ao início. Clarificar intenções, motivações e necessidades são passos que requerem uma dedicação consciente, mas que podem “salvar” o casal do afastamento em tempos difíceis.


Aos meus casais aconselho sempre o poder do beneficio da dúvida, operacionalizado pelo ponto de interrogação em vez de afirmações imutáveis que deixam o outro com pouco espaço de manobra. Perguntar se é mesmo o que estamos a entender, certificarmo-nos que estamos a tirar conclusões certeiras, investigar a outra forma de sentir e querer entregar as nossas intenções, são estratégias para uma crescente proximidade, conexão e aceitação na relação.


E, no fundo, é nestes pressupostos que faz sentido viver a sexualidade plena, aberta à possibilidade da fertilidade.


Com a dificuldade crescente em ter filhos, questionamo-nos cada vez mais sobre o propósito, o modo e o momento da incursão sexual, esquecendo-nos que está ligada a toda uma vida de intimidade. É inevitável. Quando somos obrigados a rever a nossa acção sexual com o propósito da fertilidade (no gerar um filho), limitamos a criação de amor numa intimidade abrangente. Urge cultivar e fertilizar o amor e a intimidade na profundidade da relação, no interesse pelo outro, no cuidado, no incentivo à realização de cada um, na partilha de momentos e de emoções, no crescimento individual em conjunto.


São contradições que exigem uma constante viagem de volta ao início de nós, ao início deste texto: Qual é o nosso propósito? Qual a intenção da nossa intimidade? Quem somos nós sem filhos?


Numa montanha russa desgastante de emoções, ansiedades, medos e lutos, mais uma vez faz sentido assumir os nossos limites, partilhar com o outro onde está a nossa energia e qual o nível de carga das nossas baterias, dos nossos medos e da nossa autoimagem.


E mais, o alinhamento entre dois mundos internos que viajam na mesma montanha requere ajuda externa, não só da medicina como da medicina da alma (terapia).


Dra. Margarida Salema Garção, Terapeuta de Casal


52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page