top of page

Quebrando Tabus na Criatividade, por Gonçalo Peixoto




 

Gonçalo Peixoto, 27 anos, famalicense e designer de moda. Iniciou a sua formação em Design de moda em 2012, em Guimarães, e posteriormente licenciou-se na ESAD, em Matosinhos.

Desde o início dos seus estudos, revelou ser um jovem artista apaixonado, impulsionado pela sua paixão por moda e pela sua necessidade de criar. As suas coleções têm atraído a atenção de várias lojas de moda conceituadas, bem como de revistas de moda e outros artistas.

Conquistou figura públicas e influencers com as suas criações sensuais e sexys, tornando-se  um fenómeno no mundo da moda e nas redes sociais, onde tem mais de 75 mil seguidores.

É um sonhador e, mais do que isso, um empreendedor: as passerelles não são o limite.

Recentemente foi nomeado pela revista Forber Under 30, como um dos 30 jovens mais bem-sucedidos abaixo dos 30 anos em Portugal. Esta foi, sem dúvida, sendo uma das maiores conquistas da sua carreira. Gonçalo é, também, é o designer português mais jovem apresentar uma semana de moda em Milão e, além disso, somou já duas nomeações para os Globos de Ouro.

Apesar da sua ambição, Gonçalo espera que o seu nome seja conhecido por todo mundo e que, um dia, Rihanna vista uma peça sua. Em breve abrirá a sua primeira loja no Porto.

Numa conversa ao Love with Pepper sem filtros e sem tabus, Gonçalo fala-nos sobre a chave deste e o que existe em comum entre a moda e a sexualidade.

 

Como define a moda?

 

Eu vejo a moda como um escape e um modo de viver. De certa forma ajuda-nos a construir e a defender a nossa personalidade, fazendo-nos sentir melhor com o nosso corpo e tornando-nos mais confiáveis, confortáveis e felizes com nós próprios, sem medos e sem necessidade de esconder aquilo que temos, e com orgulho da forma como nos apresentamos. É assim que defino a moda.






 

O que há em comum entre a moda e a sexualidade?

Quando crio, tento sempre que as minhas roupas e looks sejam algo com que as mulheres se sintam sexys e desejadas e acho que aí entra a parte da sexualidade.

 

Onde está a beleza e a sensualidade do ser humano?

Nas nossas diferenças. O valor do ser humano é sermos todos diferentes e termos corpos diferentes e vivermos todos em sociedade com características diferentes. É isso que nos torna únicos e é, sem dúvida, essa diferenciação que constitui beleza do ser humano.



O que o fascina na Mulher para realizar trabalhos só para ela?

As mulheres são mais livres e gosto mais porque a moda feminina é mais criativa, mais apreciada e mais audaz. Por isso, é que nunca me deu vontade de fazer roupa para o homem. Além disso, o mercado para homem não é tao procurado.

 



O que lhe inspira na moda e na vida?

Na verdade, tudo me consegue inspirar e como sou uma pessoa que gosta de conviver e de estar com amigos e pessoas, uma simples frase, o modo e estilo de vida pode servir de inspiração e desde que seja no momento certo e na hora certa, tudo pode ser uma criação de moda.

 

Como é que descreve a sua criatividade?

Descrevo de uma forma natural. O sucesso do Gonçalo Peixoto é efetivamente entender, conhecer e perceber do que gosta a mulher e isso, sem dúvida, é a chave para a minha criatividade.

 

Considera que as suas criações são excitantes do ponto de vista intelectual?

Tento que as minhas criações sejam diferentes. Intelectualmente são peças muito trabalhadas, com muitas camadas manuais e isso é que marca a diferença no Gonçalo Peixoto em relação à concorrência.

 

De que forma é que aborda a sensualidade, erotismo e sexualidade nas suas criações?

Quero que a mulher se sinta confortável e muito desejada em usar Gonçalo Peixoto e acho que o erotismo vem de uma forma muito gradual e a mulher acaba por se sentir sexy. A verdade é que as minhas coleções são muito ousadas e transparentes com muitas transparências, decotes e muitas rachas e se calhar isso é um fator sexual, mas não sexualizo a coleção e isso torna a marca Gonçalo Peixoto um objeto de desejo nos dias de hoje.

 







O que lhe excita mais no processo de criação?

A escolha dos tecidos, depois o desenhar os looks e o designer perceber como vai ficar e trabalhar no corpo feminino, isso, sem dúvida, é a parte mais excitante.

 

Cada vez mais é mais abordado o conceito sem género no mundo da moda, qual a sua opinião em relação a este tema?

Concordo, embora seja um designer muito feminino, crio e tenho imensas peças na coleção sem género como fatos e também tenho imensos compradores masculinos.  Acredito que algumas das peças Gonçalo Peixoto sejam adequadas também para homem.

 

 

A roupa que uma mulher veste pode ser um convite ao sexo?

Acho que não. As mulheres devem usar aquilo que gostam para que se sintam bem e confortáveis e não se deve sexualizar esta o que não é correto.

 

Na sua opinião, em pleno séc.XXI fala-se muito de assédio sexual. Considera que o assédio sexual pode ser induzido pela indumentária da mulher?

Isso nem faz sentido algum, vivemos num país livre e as mulheres têm de ser livres e usar o que querem independentemente do que os homens possam pensar ou sentir. Mas, em pleno século XXI, esse fator nem devia existir ou estar ligado.

 

A moda é um bom afrodisíaco?

Claro que sim, porque a moda é um bem-estar na vida e que nos deixa feliz.

 

 Gonçalo Peixoto, Designer de Moda

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page