top of page

Incongruência de género



Há alguns temas em sexologia que são difíceis de clarificar para quem tem ideias rígidas e pré-concebidas, e para mim este está la no topo. “Ah porque se eu me sentir um elefante também têm que me tratar como elefante!”. Não, não têm, e isso é só absurdo.

É aqui que entramos na discussão sobre o que é que determina o nosso género. Há quem penda para as teorias mais biológicas nas quias somos homem ou mulher porque os nossos cromossomas assim ditam, e há quem penda para o lado mais sociológico que defende que o género é sobretudo o resultado de uma série de expetativas e normas sociais. A maneira como cada um de nós olha para isto é influenciada pela educação que temos, pelas nossas crenças, convicções e até pela nossa visão publica.

Independentemente disso, penso que é inegável que existe uma série de papeis, comportamentos e expectativas associadas a ser-se homem ou ser-se mulher. Acho que concordamos com isto. E, portanto, é de esperar que nem todos nos identifiquem com aquilo que é esperado de nós. Sobretudo porque aquilo que espero de nós depende unicamente de termos um cromossoma Y ou dois cromossomas X, um pénis ou uma vagina. Tem que ser mais complexo do que isto…porque até a taxonomia é complexa!

A incongruência de género não é uma doença mental, mas pode trazer consequências graves para estas pessoas, nomeadamente depressão, marginalização, desigualdade de oportunidades e falta de acesso a cuidados de saúde. São ainda hoje vitimas de violência, preconceito e descriminação.

Alguns conceitos:

  • Sexo designado à nascença: é o sexo cromossomático (XX ou XY), sexo genital (vagina ou pénis) ou sexo gonadal (ovários ou testículos);

  • Género: construto social composto por uma serie de expetativas relativamente a comportamentos, caraterísticas e pensamentos associados a ser-se do sexo masculino ou feminino;

  • Identidade de género: experiência interna e individual sentida por cada pessoa relativamente ao género com que se identifica.

O que é a incongruência de género?

Trata-se de uma marcada incongruência entre o género experienciado pelo individuo e o género designado à nascença.

Este diagnóstico tem que estar presente por pelo menos vários meses.

Nota: a incongruência de género deixou de ser considerada uma doença mental em 2019. Esta despatologização da transexualidade é mais um passo para reduzir p estigma e preconceito para com estas pessoas.

Prevalência

Estima-se que a prevalência de pessoas com incongruência de género seja de 0,5%, ou seja, é a mesma prevalência que pessoas com olhos verdes ou cabelo ruivo.

Transfobia

As pessoas transgénero são frequentemente marginalizadas e o diagnostico pode ser erradamente interpretado como:

  • Perturbação do Espectro do Autismo;

  • Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção;

  • Personalidade bordeline;

  • Bipolaridade;

  • Esquizofrenia;

  • Ansiedade social;

  • Depressão

Para além, de que ignoramos que estas pessoas têm um risco aumentado de desenvolver depressão e cometer suicídio. Entre 22-43% das pessoas com incongruência de género fazem tentativas de suicídio.

Estes aspetos da saúde tendem a melhorar quando são tomadas medidas de afirmação de género.

Afirmação de género

O processo de afirmação de género não é obrigatório e é adaptado às necessidades individuais.

São opções:

  • Tratamento hormonal masculinizante (testosterona) ou feminizante (estrogénios +/- anti-androgénicos);

  • Bloqueio hormonal da puberdade;

  • Cirurgia de afirmação de género: remoção ou aumento/construção de órgão.

Para além disto, é fundamental que as pessoas tenham apoio psicológico e social e que não sejam descurados outros aspetos da sua saúde física (nomeadamente rastreios).

E o arrependimento?

A percentagem de arrependimento após a cirurgia de afirmação de género é de …1%.


Compreendo e aceito que as pessoas tenham diversas opiniões sobre este assunto, mas da minha parte serei sempre a favor de que se ajude estas pessoas a sentirem-se mais completas e realizadas com o seu corpo.

E termino com uma citação do Ney Matogrosso:

“eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.”

Sejam metamorfoses ambulantes!

Dra. Mafalda Cruz, Medicina Sexual





18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page