top of page

Deixem as crianças fora disso!



A infância é um período privilegiado das nossas vidas. Durante a infância estabelecemos laços e aprendemos a relacionar-nos com todas as pessoas à nossa volta. As crianças procuram atenção e carinho. Com frequência correm para o colo, tocam-nos e provocam a nossa atenção. Com os seus pares as crianças vão experimentando as amizades, mas também a frustração de não serem o centro do universo. A entrada no jardim de infância faz com que as crianças comecem a experimentar relacionar se com os pares e para cada um parece haver diferentes conexões e ligações.


As crianças aproximam- se de umas e afastam se de outras, experimentando assim a relacionar se com os outros.


Com alguma frequência as crianças dizem que têm namorado ou namorada e esse sentimento não tem correspondência com a esfera adulta, as crianças imitam os adultos!


Quando a criança diz que tem um namorado/ que está apaixonado não a devemos desmentir, a criança está a experimentar uma ligação forte com outra, mas esse amor nada tem a ver com o amor romântico e erótico do adulto.


Com o desinteresse do amiguinho ou amiguinha as crianças sofrem e estes sentimentos estruturam os relacionamentos. Não são desgostos de amor erótico! A criança tem amigos e amigas mais especiais a quem até pode chamar namorado/a muitas vezes até do mesmo género/sexo.


O nosso olhar adulto muitas vezes confunde tudo! Tudo a seu tempo! A infância é um momento para brincar, experimentar e crescer. Crianças, são crianças! Se muitas vezes reproduzem as emoções com gestos adultos como beijar na boca, estão simplesmente a imitar-nos e a aprender.


Erotizar as crianças tirando-as do seu universo de inocência é muito perigoso e tem consequências graves para a forma como as crianças vivem, mais tarde, a sua relação com os outros e sexualidade.


As escolas não devem promover o dia dos namorados junto das crianças mais pequenas e dos mais velhos podem apostar em atividades que desmistifiquem mitos do amor romântico e que facilitem a identificação de relações abusivas.


Paremos com estes disparates de ver coisas onde elas não existem! As crianças não namoram!!!


Dra. Vânia Beliz, Psicóloga Clínica

156 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page