top of page

A Sexualidade e o sentido da Visão




A sexualidade esta interligada com a visão? A visão é algo indispensável para o ato sexual?

O cérebro é a central de processamento de informação do ser humano, recebe a informação de todas as vias sensoriais: visão, audição, tato, paladar e olfato e realiza o processamento dessa mesma informação. Cerca de 80% da informação que chega ao nosso cérebro advém da visão. O ser humano quando privado do sentido da visão apura todos os outros sentidos, no caso específico de um individuo cego o tato ganha uma enorme importância na sua aprendizagem. A aprendizagem do ser humano está estruturada numa aprendizagem pela repetição, “ver e repetir”, aprendizagem essa que não é capaz de se adaptar a pessoas invisuais.


Estudos indicam que quando as pessoas cegas entram na puberdade, têm noção das suas alterações corporais assim como do aumento da libido, mas a aprendizagem da sexualidade não se encontra adaptada a eles.


Enquanto pessoas não cegas aprendem as diferenças morfológicas entre homem e mulher através da visualização, os sistemas de ensino não estão preparados para pessoas que aprendam através do toque.


Uma pessoa cega tem a sua sexualidade comprometida principalmente pela falta de possibilidade de aprender. Ao longo do seu crescimento um invisual acumula experiências de desaprovação a vários níveis, desta forma, o erotismo e a sexualidade, seja referente à masturbação ou à penetração, sofrem de um ocultamento por parte da sociedade que não está preparada para lidar com as diferenças.


Na literatura é possível reter que os adolescentes que não tenham problemas de visão, obtêm maior parte da informação através da internet e amigos, já adolescentes cegos em 33% dos casos obtém informação através dos pais. Os pais podem ser o meio de comunicação sobre a sexualidade para pessoas cegas, devido a receios existentes e à superproteção que é comum nestes casos. Dentro dos adolescentes da comunidade invisual 36% admite sentimentos de oposição dos seus familiares próximos, em relação ao namoro e à sua sexualidade.


O ciclo de exclusão social e a falta de preparação da sociedade para com os indivíduos cegos inibe a sexualidade dos mesmos, que em termos hormonais e de líbido, não existem evidencias que sejam diferentes.


Psicólogos especializados na área da sexualidade defendem que o órgão sexual mais importante é o cérebro, e o cérebro de uma pessoa cega não pode ser estimulado pelos estímulos visuais, mas pode ser estimulado pelos restantes estímulos, principalmente pelo tato, o que faz igualmente despertar o desejo e o prazer sexual da pessoa cega. O órgão sexual não tem uma ligação direta com o sistema visual desta forma é possível uma pessoa cega ter uma vida sexual ativa e em que a sua performance não é afetada pela condição.


A sociedade deve fazer um esforço de não padronizar os sistemas de ensino e de criar diferentes formas de ensino, já os profissionais de saúde devem abordar a sexualidade de pessoas cegas ou com baixa visão de uma forma não discriminatória, pois ultrapassadas as limitações impostas pela sociedade e tornando-a mais inclusiva, a sexualidade para pessoas com deficiência visual deixa de ser um tabu.


Dr. Alexandre Monteiro, Optometrista da Mais Optica

Vila Nova de Famalicão


243 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


LWP_Logo_250_250.png
bottom of page